Padres e pastores relatam experiência com a unidade

Home Notícias Padres e pastores relatam experiência com a unidade
  • Postado em: 08/10/2017
  • Categorias: Notícias
  • Autor: Marina Venuto

Em entrevista exclusiva, católicos e evangélicos falam sobre a importância do tema para a igreja

O pastor e líder há 30 anos do Ministério Koynonia de Louvor, Bené Gomes, fala sobre sua experiência com o tema da unidade. Segundo ele, foi em 2007, depois de um convite para ministrar em uma igreja católica no bairro do Meier, zona norte do Rio de Janeiro, que percebeu a oportunidade de estreitar laços com os irmãos. “Fomos muito bem recebidos por eles, que sabiam cantar a maior parte de nossas músicas. Desde então passamos a nos reunir uma vez por mês para orarmos, compartilharmos a palavra e termos comunhão, o que acontece até hoje”.

Para Bené, as diferenças doutrinárias existentes entre os cristãos não deveriam servir de justificativas para a divisão no Corpo de Cristo. “Eu costumo dizer que é possível sim ter unidade nas coisas essenciais como, por exemplo, a confissão de Cristo como único Salvador e sua centralidade em nossas vidas. Por outro lado, naquilo que não é essencial podemos divergir com maturidade e respeito, entendendo que a importância da unidade está acima das nossas diferenças de visões, leituras e interpretações bíblicas”. O líder do Koynonia também vê na ignorância espiritual e no preconceito os principais fatores que impedem o avanço da unidade entre os cristãos. “Quando Deus olha para os católicos e os evangélicos vê filhos lavados e remidos pelo sangue de Jesus que servem as igrejas nas quais estão inseridos”.

Outro incentivador da unidade no Corpo de Cristo é o Cardeal Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro (RJ), Dom Orani João Tempesta, que lembra que “a igreja católica tem o documento do Concílio Vaticano II que fala justamente sobre o ecumenismo, que é o diálogo com todas as denominações cristãs, reconhecendo toda a disponibilidade e vontade de, daqueles que creem em Cristo, saberem se respeitar, se amar, rezar juntos e, ao mesmo tempo, vivenciar a unidade”. O cardeal também revela a importância da unidade no início de sua jornada e ordenação presbiteral. “Em minha ordenação de padre escolhi como lema ‘que todos sejam um’ e, de uma certa forma, levei para frente durante toda a minha vida até hoje como lema do meu trabalho pastoral, convicto de que realmente o Senhor nos deseja vivendo a diversidade e o respeito ao outro, sabendo que não se resume à uniformidade, mas sim à unidade em meio a diversidade. Tenho visto como isso é importante para mim, para a igreja enquanto tal e para o mundo” reforça.

O pastor, músico e compositor Asaph Borba, que exerce grande influência no meio evangélico desde os anos 70, também conta que sempre acreditou na unidade da igreja. “Quando compus o cântico ‘Alto Preço’ foi uma declaração sincera de quem crê nessa verdade. Acredito que o louvor une sempre. Quem aprende a cantar junto aprende a viver junto”, reforça o cantor que possui livros, CDs e DVDs em diversas partes do mundo.

A mesma visão é compartilhada pelo assessor para o diálogo ecumênico da Diocese de Osasco (SP), Padre Douglas Pinheiro, que vê o louvor e a adoração como alguns dos elementos que, de fato, unem os cristãos. “O movimento carismático no Brasil, quando chegou ali pelas décadas de 70 e 80, não tinha ainda um arcabouço artístico do qual se servir nos grupos de oração. Então, por muitos anos nós nos alimentamos espiritualmente de louvores evangélicos, que era o que existia naquele tempo. Temos essa gratidão aos irmãos evangélicos por nos terem possibilitado um encontro com Deus através de músicas compostas por eles”, explica o padre, que também é professor de teologia sistemática na UNISAL-SP.

O pastor Mike Herron é pianista, compositor e um dos líderes fundadores do “John 17 Movement” (Movimento João 17), uma iniciativa internacional que promove a unidade entre os cristãos. Ele diz ver na música a ferramenta que Deus está utilizando para restaurar o Corpo de Cristo. “Nós teremos católicos, protestantes, evangélicos e carismáticos e estaremos unidos para adorar ao nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Temos um só Senhor e um único Salvador”.

Compartilhar artigo

Leave a comment